Fragmentos Móveis

>Livro sobre o fim da ditadura sexta-feira, 25 fevereiro, 2011

Filed under: Política — fragmentosmoveis @ 9:12 am

>

 

>Midia alternativa anos 70

Filed under: Imprensa — fragmentosmoveis @ 9:07 am

>

 

Sketchbooks – As Páginas Desconhecidas do Processo Criativo segunda-feira, 8 novembro, 2010

Filed under: Artes Plásticas,Brincando no Parquinho,Ilustrações — fragmentosmoveis @ 12:03 am

Li na Folha que saiu um livro muito interessante. A editora Pop lançou a versão brasileira do livro “Sketchbooks – As Páginas Desconhecidas do Processo Criativo” (organização de Cezar de Almeida e Roger Bassetto, 272 págs., R$ 120). O livro traz imagens e depoimentos de 26 artistas com a proposta de desvendar o método de criação de cada um. Nesse link dá para ter uma prévia das imagens no site da Folha.

Sketchbook de Renato Alarcão

 

Esquecer é parte da nossa sobrevivência terça-feira, 2 novembro, 2010

Filed under: Uncategorized — fragmentosmoveis @ 11:53 pm

Arrumar coisas antigas tem sempre o objetivo de jogá-las fora. Para mim uma tarefa sempre postergada, freqüentemente por anos, e que dispende muito tempo. Não só por causa da quantidade de coisas – na verdade a maior parte papéis – guardados, mas porque a cada folha ou recorte ou jornal ou pedaço de papel, eu tenho que ver e decidir. Às vezes também não me escapa à leitura e me vejo absorta como a ler o livro da minha vida.
Na limpeza desse feriado encontrei um artigo do Estadão sobre a obra do neurocientista Iván Izquierdo. “Esquecer é parte da nossa sobrevivência”. “Criamos memórias falsas o tempo todo”. “Não há memória que não seja relacionada a um sentimento seja ele alegre, triste, eufórico, melancólico.” “Ninguém esquece o dia em que morreu Ayrton Senna, mas ninguém lembra o que estava fazendo antes ou depois dele”.
Fico contente com as caixas que consigo preencher rumo à lixeira, mas elas nunca superam as que ficam, contrariando o olhar do marido e o neurocientista, que diz que o esquecimento talvez seja o aspecto predominante de nossa memória. Guardo para não esquecer?
As coisas “úteis” que reencontro, porém, raramente são reutilizadas, mas já que estão nesta categoria, mudam de lugar e continuam na casa. Guardo para relembrar?
Por outro lado, por coincidência, uma das coisas que o neurocientista ressaltou foi o que ele chama de extinção e repressão, como a forma mais acabada da arte de esquecer. “Fulano era do PDT, mas agora está no PT”. Sabem de quem estou falando, não?

Estou tentando rever os critérios do que “fica” e o que “vai”. Reconhecer que informações tornaram-se antigas e dispensáveis, reconhecer que não sou historiadora nem depositória de algum museu. Reconhecer que a vida é transitória e que, um dia quando eu partir, provavelmente tudo isso irá para o lixo muito rapidamente e o espaço estará livre para outras existências, conhecimentos, emoções.

 

Virgílio, Anita, FB e Twitter sexta-feira, 29 outubro, 2010

Filed under: Amigos,Brincando no Parquinho,Internet,Parapeito de Papel,Twitter — fragmentosmoveis @ 10:54 pm

Todo dia leio Anita postar no seu Facebook os conselhos e as frases do Guru do Amor, Falando de homem com a Diabinha, 25 dicas para ser mais feliz na vida, Sabedoria de Caco Antibes, Sábios provérbios da Magda, O que você queria dizer, mas a educação não deixa, Frases de Chico Xavier, Frases de Charles Chaplin, Já a minha avó dizia…e cada dia aparece mais um aplicativo do FB disparando frases. Acho engraçadas algumas frases, e talvez por isso não mande o FB ocultar todos os posts com esses conteúdos, como já fiz com os avisos de amigos sobre o Farmville e qualquer game do FB. Acho que me irrito mais com o volume do que com o conteúdo em si. É como testemunhar uma compulsão, mas para ela é apenas diversão. Por outro lado, diariamente ela escreve que está feliz e declara seu amor ao novo namorado. Nesse caso conteúdo e volume estão intrinsecamente ligados.

breve desenho no paint

Virgílio costuma reclamar de tudo no Twitter – do sapato apertado à indignação com as eleições em sua cidade. Comida ruim, fila, denúncias na imprensa, clima seco, livros perdidos, tudo acontece com ele. E conosco também, mas ele reclama por ele e por nós. Na sua “rabugentisse” crítica, fica contente quando lhe dão unfollow aqueles que discordam de suas posições, uma vez que são reacionários. Às vezes penso que comemora mais as perdas do que os ganhos em número de seguidores.

 

Boca a boca domingo, 11 julho, 2010

Filed under: Internet,Parapeito de Papel,Twitter — fragmentosmoveis @ 11:33 pm

Saber as coisas pelo boca a boca e não pela tv, pelo jornal ou até mesmo pelo portal da internet… tem acontecido muito. E quando falo boca a boca quero dizer Twitter, um boca a boca de vozes diversificadas, algumas conhecidas, outras reverberadas quando as pessoas “retuítam” as falas de outros.

Você pode ficar sabendo em 1ª mão do último terremoto, do gol que acaba de ser feito, que acabaram de encontrar o corpo do caso policial da semana, que foi escolhido o vice-candidato a presidência, que há uma vaga de emprego, que um poeta morreu, que alguém está de saco cheio.

É um almanaque, mas quando a mídia fica monotemática às vezes o Twitter também reproduz isso. Aí, é melhor por uma música e desligar…

 

Lendas & Tribos, o espetáculo sexta-feira, 14 maio, 2010

Filed under: Amigos,Eventos,Música,Teatro — fragmentosmoveis @ 3:11 pm