Fragmentos Móveis

Para saber ou para não esquecer (I) segunda-feira, 26 março, 2007

Filed under: Escravidão,Imprensa,Meio-ambiente,Violência — fragmentosmoveis @ 12:57 pm

Esses dias estão saindo notícias na mídia. Então, para os que já leram corro o risco de soar repetitiva. Mas o registro fica e daqui a algum tempo pode ser que leitores leiam uma “novidade” (que não souberam pela mídia na época) ou relembrem fatos esquecidos.

Escravidão – Trabalhos forçados

      • Passados 200 anos do fim do tráfico de escravos no Atlântico, milhões de adultos e crianças continuam sendo vendidos para trabalhar na prostituição, na agricultura ou na mineração, em condições degradantes, em troca de pouca ou nenhuma remuneração.
  • Organização Internacional do Trabalho estima que 12,3 milhões de pessoas são vítimas do trabalho forçado. Já a ONG norte-americano Free the Slaves estima que haja 27 milhões de pessoas nessa situação.
  • Especialistas da ONU e de outras entidades afirmam que o tráfico humano movimento 32 bilhões de dólares — 10 bilhões com a venda de indivíduos, e o restante com os lucros de suas atividades. Fonte: Reuters

Escravidão Sexual

  • Mais de um milhão de mulheres trabalham como escravas sexuais para redes internacionais de tráfico de pessoas, segundo a Organização Internacional do Trabalho (OIT).
  • São vítimas de um negócio que fatura US$ 32 bilhões por ano no mundo. Na ponta do esquema, estão aliciadores, na maioria das vezes, da própria comunidade em que elas vivem. No Brasil, um ‘olheiro’ ganha cerca R$ 600 por “escrava”, segundo os cálculos dos serviços de assistência a vítimas.
  • Em 2000, os países da ONU assinaram em Palermo, na Itália, um protocolo que em linhas gerais define o tráfico de pessoas como o “recrutamento” ou “transporte forçado” de pessoas, em que uma tem “autoridade sobre outra para fins de exploração”. Fonte: BBC

Falta de água

  • Atualmente, 2,6 bilhões de pessoas – metade da população dos países em desenvolvimento – vivem em locais sem condições básicas de saneamento.
  • Os problemas relacionados à falta de acesso à água adequada matam mais de 1,6 milhões de pessoas todos os anos. Fonte: BBC
Anúncios
 

One Response to “Para saber ou para não esquecer (I)”

  1. Álvaro Tiago Says:

    Ola estou a procura de parceiras para troca de links, para que possamos aumentar e melhorar a nossas posições no page hack do googlepossuo dois blogs e gostaria de fazer parceria com vcaqui estão os blogshttp://www.dinheiro-na-internet.blogspot.comhttp://www.orolix-mania.blogspot.comse tiver interesse por favor entre em contato através do e-mail alvarotiago@ibest.com.br e mande seu respectivo link par ao qual você quer que seje linkado e também o textoParabéns pelo trabalhoAbraçosÁlvaro


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s