Fragmentos Móveis

Querido cinema nacional segunda-feira, 20 agosto, 2007

Filed under: Cinema — fragmentosmoveis @ 11:03 pm

Eu adoro assistir a filmes nacionais antigos. Cada década tem seu encanto… e em cada uma conhecer o trabalho de atores comentados que nunca vimos atuar, observar os costumes. Ah, conhecer os anos 30, 40, 50, imaginar minha mãe, meu pai, ouvindo aquelas músicas.
Nos filmes dos anos 60, 70 e 80 divirto-me com as gírias, as roupas, os penteados, os atores que eram tão jovens.

A cada sessão no Canal Brasil um aprendizado, até nas pornochanchadas da década de 70: ver Carlo Mossy, Monique Lafond e Sandra Barsotti lindas, Lúcia Veríssimo jovenzinha, Jorge Dória sempre Jorge Dória.

Daisy Lúcidi, que agora ficou conhecida do público jovem como a síndica do Copamar na novela das oito (Páginas da Vida), fazia o papel da típica dona de casa da classe média, esposa do personagem de Jorge Dória, antes de concentrar-se na carreira de radialista e deputada. Aqui ela era mãe do Marcos Paulo, o galã antes de virar diretor de novela. E ainda tinha Darlene Glória, o saudoso Sady Cabral, Fernando Torres e até Abel Pêra, tio de Marília Pêra.

O filme era “Eu transo… ela transa”, de 1972. Já assisti a esse filme umas 3 vezes, mas na última de novo não resisti. O enredo eu sabia de cor, mas a trilha sonora era tão legal… Sabe de quem? Carlos Lyra.

Essa semana vi – finalmente do começo ao fim – “A Cor do Seu Destino”, filme de 1986. Todo mundo era jovenzinho: Guilherme Fontes, Júlia Lemmertz, Andréia Beltrão, Chico Díaz, Marcos Palmeira, Anderson Müller. E eu consegui algo que adoro fazer: reconheci o Paulinho Moska fazendo o papel de um amigo do Marcos Palmeira.

Os créditos no final confirmaram meu palpite de boa fisionomista. Pelo que vi na internet depois, parece que foi seu único trabalho como ator. Agora, vamos aproveitando sua boa música.

Mas esse não foi meu único feito. Um dia eu cismei que um figurante jovem e barbado era o Jayme Monjardim. E era! Nos créditos apareceu como Jayme Matarazzo.

Ai se o canal não passa os créditos ou se passam na frente da TV nessa hora! Eu morro!

Se você também gosta de cinema, algumas fontes para antes e depois do filme são:
http://estranhoencontro.blogspot.com/
http://www.adorocinemabrasileiro.com.br
http://www.imdb.com

Anúncios
 

Querido cinema nacional

Filed under: Cinema — fragmentosmoveis @ 11:03 pm

Eu adoro assistir a filmes nacionais antigos. Cada década tem seu encanto… e em cada uma conhecer o trabalho de atores comentados que nunca vimos atuar, observar os costumes. Ah, conhecer os anos 30, 40, 50, imaginar minha mãe, meu pai, ouvindo aquelas músicas.
Nos filmes dos anos 60, 70 e 80 divirto-me com as gírias, as roupas, os penteados, os atores que eram tão jovens.

A cada sessão no Canal Brasil um aprendizado, até nas pornochanchadas da década de 70: ver Carlo Mossy, Monique Lafond e Sandra Barsotti lindas, Lúcia Veríssimo jovenzinha, Jorge Dória sempre Jorge Dória.

Daisy Lúcidi, que agora ficou conhecida do público jovem como a síndica do Copamar na novela das oito (Páginas da Vida), fazia o papel da típica dona de casa da classe média, esposa do personagem de Jorge Dória, antes de concentrar-se na carreira de radialista e deputada. Aqui ela era mãe do Marcos Paulo, o galã antes de virar diretor de novela. E ainda tinha Darlene Glória, o saudoso Sady Cabral, Fernando Torres e até Abel Pêra, tio de Marília Pêra.

O filme era “Eu transo… ela transa”, de 1972. Já assisti a esse filme umas 3 vezes, mas na última de novo não resisti. O enredo eu sabia de cor, mas a trilha sonora era tão legal… Sabe de quem? Carlos Lyra.

Essa semana vi – finalmente do começo ao fim – “A Cor do Seu Destino”, filme de 1986. Todo mundo era jovenzinho: Guilherme Fontes, Júlia Lemmertz, Andréia Beltrão, Chico Díaz, Marcos Palmeira, Anderson Müller. E eu consegui algo que adoro fazer: reconheci o Paulinho Moska fazendo o papel de um amigo do Marcos Palmeira.

Os créditos no final confirmaram meu palpite de boa fisionomista. Pelo que vi na internet depois, parece que foi seu único trabalho como ator. Agora, vamos aproveitando sua boa música.

Mas esse não foi meu único feito. Um dia eu cismei que um figurante jovem e barbado era o Jayme Monjardim. E era! Nos créditos apareceu como Jayme Matarazzo.

Ai se o canal não passa os créditos ou se passam na frente da TV nessa hora! Eu morro!

Se você também gosta de cinema, algumas fontes para antes e depois do filme são:
http://estranhoencontro.blogspot.com/
http://www.adorocinemabrasileiro.com.br
http://www.imdb.com

 

Querido cinema nacional

Filed under: Brincando no Parquinho,Cinema — fragmentosmoveis @ 11:03 pm
Tags:

Eu adoro assistir a filmes nacionais antigos. Cada década tem seu encanto… e em cada uma conhecer o trabalho de atores comentados que nunca vimos atuar, observar os costumes. Ah, conhecer os anos 30, 40, 50, imaginar minha mãe, meu pai, ouvindo aquelas músicas.
Nos filmes dos anos 60, 70 e 80 divirto-me com as gírias, as roupas, os penteados, os atores que eram tão jovens.

A cada sessão no Canal Brasil um aprendizado, até nas pornochanchadas da década de 70: ver Carlo Mossy, Monique Lafond e Sandra Barsotti lindas, Lúcia Veríssimo jovenzinha, Jorge Dória sempre Jorge Dória.

Daisy Lúcidi, que agora ficou conhecida do público jovem como a síndica do Copamar na novela das oito (Páginas da Vida), fazia o papel da típica dona de casa da classe média, esposa do personagem de Jorge Dória, antes de concentrar-se na carreira de radialista e deputada. Aqui ela era mãe do Marcos Paulo, o galã antes de virar diretor de novela. E ainda tinha Darlene Glória, o saudoso Sady Cabral, Fernando Torres e até Abel Pêra, tio de Marília Pêra.

O filme era “Eu transo… ela transa”, de 1972. Já assisti a esse filme umas 3 vezes, mas na última de novo não resisti. O enredo eu sabia de cor, mas a trilha sonora era tão legal… Sabe de quem? Carlos Lyra.

Essa semana vi – finalmente do começo ao fim – “A Cor do Seu Destino”, filme de 1986. Todo mundo era jovenzinho: Guilherme Fontes, Júlia Lemmertz, Andréia Beltrão, Chico Díaz, Marcos Palmeira, Anderson Müller. E eu consegui algo que adoro fazer: reconheci o Paulinho Moska fazendo o papel de um amigo do Marcos Palmeira.

Os créditos no final confirmaram meu palpite de boa fisionomista. Pelo que vi na internet depois, parece que foi seu único trabalho como ator. Agora, vamos aproveitando sua boa música.

Mas esse não foi meu único feito. Um dia eu cismei que um figurante jovem e barbado era o Jayme Monjardim. E era! Nos créditos apareceu como Jayme Matarazzo.

Ai se o canal não passa os créditos ou se passam na frente da TV nessa hora! Eu morro!

Se você também gosta de cinema, algumas fontes para antes e depois do filme são:
http://estranhoencontro.blogspot.com/
http://www.adorocinemabrasileiro.com.br
http://www.imdb.com

 

Mudanças na Língua Portuguesa

Filed under: Educação,Informação — fragmentosmoveis @ 3:15 pm

Leio hoje que as mudanças na Língua Portuguesa começarão em 2008… é quase um lembrete, pois de fato essa mudança é prometida há tantos anos que eu até já havia esquecido.

O artigo bem útil está no iG Educação e conta que o acordo de unificação e padronização da ortografia dos países de língua portuguesa, que data de 1991, finalmente chega ao seu prazo de realização.

O que mudará, segundo o artigo de Moema Dias:

O alfabeto passa a ter 26 letras, contra 23 de hoje, pois haverá a inclusão do K, do W e do Y.

Acentos agudos deixarão de existir:

  • Para diferenciar. Assim, devemos grafar “para” do verbo parar da mesma maneira como grafamos a preposição “para”. Até hoje este verbo era grafado com acento (Pára). “Pêlo”, como os dos cachorros serão grafados da mesma maneira que “pelo”, a preposição;
  • Em ditongos abertos de palavras paroxítonas (“ei”, “oi”). Desta maneira idéia vira ideia, assembléia vira assembleia, heróica vira heroica e jibóia vira jiboia;
  • Palavras paroxítonas com “i” e “u” tônicos, como feiúra, que virará feiura.

O acento circunflexo também cairá em alguns casos:

  • Palavras paroxítonas terminadas em “o” duplo, como vôo, enjôo, perdôo, abençôo;
  • E verbos em que este acento era utilizado para diferenciar os verbos “crer”, “dar”, “ler”, “ver” e seus derivados.

O hífen deixará de existir quando:

  • A primeira palavra terminar em vogal e a segunda começar com uma vogal diferente. Aero-espacial passará a ser grafado aeroespacial;
  • Quando a segunda palavra começar com “R” ou “S”. Contra-regra vira contrarregra e anti-semita vira antissemita.

Será mantido o hífen quando os prefixos terminarem em “R”, ou seja, “Super”, “Hiper” e “Inter”.

Trema

A famosa queda do trema enfim ocorrerá. Nada mais de lingüiça ou tranqüilidade. O correto passará a ser linguiça e tranquilidade.

O interessante é que já tem gente culpando o presidente Lula pela mudança. Talvez pela menção no texto que diz “O governo já prepara uma licitação para adquirir material didático com as novas regras para 2009.”

Nem levaram em conta que se trata de uma discussão internacional concluída em 1991! Cada um com as culpas que lhes cabem…

 

Mudanças na Língua Portuguesa

Filed under: Educação,Informação — fragmentosmoveis @ 3:15 pm

Leio hoje que as mudanças na Língua Portuguesa começarão em 2008… é quase um lembrete, pois de fato essa mudança é prometida há tantos anos que eu até já havia esquecido.

O artigo bem útil está no iG Educação e conta que o acordo de unificação e padronização da ortografia dos países de língua portuguesa, que data de 1991, finalmente chega ao seu prazo de realização.

O que mudará, segundo o artigo de Moema Dias:

O alfabeto passa a ter 26 letras, contra 23 de hoje, pois haverá a inclusão do K, do W e do Y.

Acentos agudos deixarão de existir:

  • Para diferenciar. Assim, devemos grafar “para” do verbo parar da mesma maneira como grafamos a preposição “para”. Até hoje este verbo era grafado com acento (Pára). “Pêlo”, como os dos cachorros serão grafados da mesma maneira que “pelo”, a preposição;
  • Em ditongos abertos de palavras paroxítonas (“ei”, “oi”). Desta maneira idéia vira ideia, assembléia vira assembleia, heróica vira heroica e jibóia vira jiboia;
  • Palavras paroxítonas com “i” e “u” tônicos, como feiúra, que virará feiura.

O acento circunflexo também cairá em alguns casos:

  • Palavras paroxítonas terminadas em “o” duplo, como vôo, enjôo, perdôo, abençôo;
  • E verbos em que este acento era utilizado para diferenciar os verbos “crer”, “dar”, “ler”, “ver” e seus derivados.

O hífen deixará de existir quando:

  • A primeira palavra terminar em vogal e a segunda começar com uma vogal diferente. Aero-espacial passará a ser grafado aeroespacial;
  • Quando a segunda palavra começar com “R” ou “S”. Contra-regra vira contrarregra e anti-semita vira antissemita.

Será mantido o hífen quando os prefixos terminarem em “R”, ou seja, “Super”, “Hiper” e “Inter”.

Trema

A famosa queda do trema enfim ocorrerá. Nada mais de lingüiça ou tranqüilidade. O correto passará a ser linguiça e tranquilidade.

O interessante é que já tem gente culpando o presidente Lula pela mudança. Talvez pela menção no texto que diz “O governo já prepara uma licitação para adquirir material didático com as novas regras para 2009.”

Nem levaram em conta que se trata de uma discussão internacional concluída em 1991! Cada um com as culpas que lhes cabem…

 

Mudanças na Língua Portuguesa

Filed under: Informação,Parapeito de Papel — fragmentosmoveis @ 3:15 pm

Leio hoje que as mudanças na Língua Portuguesa começarão em 2008… é quase um lembrete, pois de fato essa mudança é prometida há tantos anos que eu até já havia esquecido.

O artigo bem útil está no iG Educação e conta que o acordo de unificação e padronização da ortografia dos países de língua portuguesa, que data de 1991, finalmente chega ao seu prazo de realização.

O que mudará, segundo o artigo de Moema Dias:

O alfabeto passa a ter 26 letras, contra 23 de hoje, pois haverá a inclusão do K, do W e do Y.

Acento agudo deixarão de existir:

  • Para diferenciar. Assim, devemos grafar “para” do verbo parar da mesma maneira como grafamos a preposição “para”. Até hoje este verbo era grafado com acento (Pára). “Pêlo”, como os dos cachorros serão grafados da mesma maneira que “pelo”, a preposição;
  • Em ditongos abertos de palavras paroxítonas (“ei”, “oi”). Desta maneira idéia vira ideia, assembléia vira assembleia, heróica vira heroica e jibóia vira jiboia;
  • Palavras paroxítonas com “i” e “u” tônicos, como feiúra, que virará feiura.

O acento circunflexo também cairá em alguns casos:

  • Palavras paroxítonas terminadas em “o” duplo, como vôo, enjôo, perdôo, abençôo;
  • E verbos em que este acento era utilizado para diferenciar os verbos “crer”, “dar”, “ler”, “ver” e seus derivados.

O hífen deixará de existir quando:

  • A primeira palavra terminar em vogal e a segunda começar com uma vogal diferente. Aero-espacial passará a ser grafado aeroespacial;
  • Quando a segunda palavra começar com “R” ou “S”. Contra-regra vira contrarregra e anti-semita vira antissemita.

Será mantido o hífen quando os prefixos terminarem em “R”, ou seja, “Super”, “Hiper” e “Inter”.

Trema

A famosa queda do trema enfim ocorrerá. Nada mais de lingüiça ou tranqüilidade. O correto passará a ser linguiça e tranquilidade.

O interessante é que já tem gente culpando o presidente Lula pela mudança. Talvez pela menção no texto que diz “O governo já prepara uma licitação para adquirir material didático com as novas regras para 2009.”

Nem levaram em conta que se trata de uma discussão internacional concluída em 1991! Cada um com as culpas que lhes cabem…

 

Mudanças na Língua Portuguesa

Filed under: Uncategorized — fragmentosmoveis @ 11:15 am
Tags: ,

Leio hoje que as mudanças na Língua Portuguesa começarão em 2008… é quase um lembrete, pois de fato essa mudança é prometida há tantos anos que eu até já havia esquecido.

O artigo bem útil está no iG Educação e conta que o acordo de unificação e padronização da ortografia dos países de língua portuguesa, que data de 1991, finalmente chega ao seu prazo de realização.

O que mudará, segundo o artigo de Moema Dias:

O alfabeto passa a ter 26 letras, contra 23 de hoje, pois haverá a inclusão do K, do W e do Y.

Acentos agudos deixarão de existir:

  • Para diferenciar. Assim, devemos grafar “para” do verbo parar da mesma maneira como grafamos a preposição “para”. Até hoje este verbo era grafado com acento (Pára). “Pêlo”, como os dos cachorros serão grafados da mesma maneira que “pelo”, a preposição;
  • Em ditongos abertos de palavras paroxítonas (“ei”, “oi”). Desta maneira idéia vira ideia, assembléia vira assembleia, heróica vira heroica e jibóia vira jiboia;
  • Palavras paroxítonas com “i” e “u” tônicos, como feiúra, que virará feiura.

O acento circunflexo também cairá em alguns casos:

  • Palavras paroxítonas terminadas em “o” duplo, como vôo, enjôo, perdôo, abençôo;
  • E verbos em que este acento era utilizado para diferenciar os verbos “crer”, “dar”, “ler”, “ver” e seus derivados.

O hífen deixará de existir quando:

  • A primeira palavra terminar em vogal e a segunda começar com uma vogal diferente. Aero-espacial passará a ser grafado aeroespacial;
  • Quando a segunda palavra começar com “R” ou “S”. Contra-regra vira contrarregra e anti-semita vira antissemita.

Será mantido o hífen quando os prefixos terminarem em “R”, ou seja, “Super”, “Hiper” e “Inter”.

Trema

A famosa queda do trema enfim ocorrerá. Nada mais de lingüiça ou tranqüilidade. O correto passará a ser linguiça e tranquilidade.

O interessante é que já tem gente culpando o presidente Lula pela mudança. Talvez pela menção no texto que diz “O governo já prepara uma licitação para adquirir material didático com as novas regras para 2009.”

Nem levaram em conta que se trata de uma discussão internacional concluída em 1991! Cada um com as culpas que lhes cabem…