Fragmentos Móveis

Males da novela das 8h quarta-feira, 3 dezembro, 2008

Filed under: TV — fragmentosmoveis @ 10:46 am

Em geral na novela “A Favorita”, padece-se de um mal – muitas vezes grave, mas de 1 certo tipo de mal que envolve a vida de cada personagem.

Por exemplo, Catarina (seu marido), Cida (a traição à irmã no passado), Céu (o amor não correspondido de Cassiano), Alícia (o pai corrupto), Elias (a traição de suas mulheres), Augusto César (o abandono), Stela (o preconceito aos gays), Copola (a esposa megera), Irene (a nostalgia do passado), Flora (a assassina), Donatela (a vítima).

Mas a biografia de Lara, se olharmos bem friamente os fatos, é de uma “pobre menina rica” mesmo:
– Cresceu no meio de mentiras e ilusões;
– Foi retirada da mãe aos 3 anos de idade;
– Foi criada por seu verdadeiro pai, achando que ele era seu padrasto malvado;
– Sua mãe é uma assassina fria, seu pai verdadeiro é um cafajeste, seu avô paterno é um trambiqueiro, seu avô materno é viciado em jogos de azar;
– Sofre por achar que sua mãe adotiva era assassina e está morta;
– Herdou milhões de sua mãe adotiva, mas logo ela aparecerá viva;
– Sua rival está grávida de seu (rico, sem saber) namorado, e ela saberá disso em breve.

Ela é a verdadeira “favorita” das desgraças, a não ser pelo fato de que no final feliz da novela, a maldição se desfaz com a magia da proximidade da próxima novela: ela fica com o mocinho lindo, sensível e rico; ganha de volta a mãe que a ama de verdade; continua rica; livra-se de mãe assassina, pai e avô que não prestam; forma-se na faculdade e anos depois torna-se uma deputada engajada na luta pela preservação do ambiente (este último fato é uma contribuição aos autores da novela – exijo meu crédito!)

Anúncios
 

Males da novela das 8h

Filed under: TV — fragmentosmoveis @ 10:46 am

Em geral na novela “A Favorita”, padece-se de um mal – muitas vezes grave, mas de 1 certo tipo de mal que envolve a vida de cada personagem.

Por exemplo, Catarina (seu marido), Cida (a traição à irmã no passado), Céu (o amor não correspondido de Cassiano), Alícia (o pai corrupto), Elias (a traição de suas mulheres), Augusto César (o abandono), Stela (o preconceito aos gays), Copola (a esposa megera), Irene (a nostalgia do passado), Flora (a assassina), Donatela (a vítima).

Mas a biografia de Lara, se olharmos bem friamente os fatos, é de uma “pobre menina rica” mesmo:
– Cresceu no meio de mentiras e ilusões;
– Foi retirada da mãe aos 3 anos de idade;
– Foi criada por seu verdadeiro pai, achando que ele era seu padrasto malvado;
– Sua mãe é uma assassina fria, seu pai verdadeiro é um cafajeste, seu avô paterno é um trambiqueiro, seu avô materno é viciado em jogos de azar;
– Sofre por achar que sua mãe adotiva era assassina e está morta;
– Herdou milhões de sua mãe adotiva, mas logo ela aparecerá viva;
– Sua rival está grávida de seu (rico, sem saber) namorado, e ela saberá disso em breve.

Ela é a verdadeira “favorita” das desgraças, a não ser pelo fato de que no final feliz da novela, a maldição se desfaz com a magia da proximidade da próxima novela: ela fica com o mocinho lindo, sensível e rico; ganha de volta a mãe que a ama de verdade; continua rica; livra-se de mãe assassina, pai e avô que não prestam; forma-se na faculdade e anos depois torna-se uma deputada engajada na luta pela preservação do ambiente (este último fato é uma contribuição aos autores da novela – exijo meu crédito!)

 

Males da novela das 8h

Filed under: Uncategorized — fragmentosmoveis @ 5:46 am
Tags:

Em geral na novela “A Favorita”, padece-se de um mal – muitas vezes grave, mas de 1 certo tipo de mal que envolve a vida de cada personagem.

Por exemplo, Catarina (seu marido), Cida (a traição à irmã no passado), Céu (o amor não correspondido de Cassiano), Alícia (o pai corrupto), Elias (a traição de suas mulheres), Augusto César (o abandono), Stela (o preconceito aos gays), Copola (a esposa megera), Irene (a nostalgia do passado), Flora (a assassina), Donatela (a vítima).

Mas a biografia de Lara, se olharmos bem friamente os fatos, é de uma “pobre menina rica” mesmo:
– Cresceu no meio de mentiras e ilusões;
– Foi retirada da mãe aos 3 anos de idade;
– Foi criada por seu verdadeiro pai, achando que ele era seu padrasto malvado;
– Sua mãe é uma assassina fria, seu pai verdadeiro é um cafajeste, seu avô paterno é um trambiqueiro, seu avô materno é viciado em jogos de azar;
– Sofre por achar que sua mãe adotiva era assassina e está morta;
– Herdou milhões de sua mãe adotiva, mas logo ela aparecerá viva;
– Sua rival está grávida de seu (rico, sem saber) namorado, e ela saberá disso em breve.

Ela é a verdadeira “favorita” das desgraças, a não ser pelo fato de que no final feliz da novela, a maldição se desfaz com a magia da proximidade da próxima novela: ela fica com o mocinho lindo, sensível e rico; ganha de volta a mãe que a ama de verdade; continua rica; livra-se de mãe assassina, pai e avô que não prestam; forma-se na faculdade e anos depois torna-se uma deputada engajada na luta pela preservação do ambiente (este último fato é uma contribuição aos autores da novela – exijo meu crédito!)

 

Desconcertos na Paulista 2008 terça-feira, 2 dezembro, 2008

Filed under: Amigos,Arte,Literatura,Música,Poesia — fragmentosmoveis @ 12:07 pm


O Desconcertos na Paulista deste sábado, dia 06 de dezembro, 17:00, na
abertura da RAVE CULTURAL NA CASA DAS ROSAS, celebra a apresentação
inédita de improvisos de letras e sons, a partir da bela prosa poética
da escritora Giovanna Batini acompanhada da música e melodia de Wilson
Neves (clarinete, flauta), e de Edson Tobinaga, (violão clássico,
percussão). Literatura, prosa, poesia, música, se misturando e
reinventando para proporcionar uma experiência sensorial única e
emocionante.

– a programação completa da Rave Cultural pelo Desconcertos (http://desconcertos.wordpress.com ),

– o que desconcerta por aí (Lasanha, Tulípio, revista Grumo, Maria
José Silveira e os Diálogos Sonoros), Tempo Instável (http://desconcertos.wordpress.com )

– Imagens e resenha de ‘Coraline’, de Neil Gaiman. Imagens e fotos do
encontro com Paulo Scott no Vira Cultura. Imagens e fotos do
lançamento do livro ‘Desconcerto’ no Rio de Janeiro:
http://desconcertos.wordpress.com


Claudinei Vieira – Desconcertos
http://desconcertos.wordpress.com/

 

Desconcertos na Paulista 2008

Filed under: Amigos,Arte,Brincando no Parquinho,Literatura,Música,Poesia — fragmentosmoveis @ 12:07 pm
Tags: , ,


O Desconcertos na Paulista deste sábado, dia 06 de dezembro, 17:00, na
abertura da RAVE CULTURAL NA CASA DAS ROSAS, celebra a apresentação
inédita de improvisos de letras e sons, a partir da bela prosa poética
da escritora Giovanna Batini acompanhada da música e melodia de Wilson
Neves (clarinete, flauta), e de Edson Tobinaga, (violão clássico,
percussão). Literatura, prosa, poesia, música, se misturando e
reinventando para proporcionar uma experiência sensorial única e
emocionante.

– a programação completa da Rave Cultural pelo Desconcertos (http://desconcertos.wordpress.com ),

– o que desconcerta por aí (Lasanha, Tulípio, revista Grumo, Maria
José Silveira e os Diálogos Sonoros), Tempo Instável (http://desconcertos.wordpress.com )

– Imagens e resenha de ‘Coraline’, de Neil Gaiman. Imagens e fotos do
encontro com Paulo Scott no Vira Cultura. Imagens e fotos do
lançamento do livro ‘Desconcerto’ no Rio de Janeiro:
http://desconcertos.wordpress.com


Claudinei Vieira – Desconcertos
http://desconcertos.wordpress.com/

 

Índia é eleita a primeira cacique em MS segunda-feira, 1 dezembro, 2008

Filed under: Indígenas — fragmentosmoveis @ 6:27 pm

Notícia da Agência Estado de hoje merece ser registrada para a posteridade. Aproveito para ilustrar com fotos de uma matéria do site Repórter Brasil, de 2006.

A índia da etnia Terena Enir Bezerra da Silva, de 53 anos, foi eleita ontem a primeira cacique de Mato Grosso do Sul. Ela passou a comandar 250 famílias indígenas da tribo que moram na Aldeia Urbana Marçal de Souza, situada na zona leste de Campo Grande.

Enir considerou o resultado do pleito “histórico e uma revolução dentro da cultura indígena”. “O mundo e conseqüentemente o Brasil estão muito modernos. É a TV digital, a Internet, os avanços da medicina e os relacionamentos entre famílias mudando o jeito de viver. Queremos também entrar na modernidade não por vaidade, mas para o nosso crescimento interior, mostrando que acima da condição masculina ou feminina está o ser humano”, afirmou.

Conhecida na aldeia por Enir Índia, disse que seu objetivo como líder é em primeiro lugar conseguir a realização do recenseamento indígena no Estado, porque “nossos índios urbanos são invisíveis para o Poder Público. Aqui em Mato Grosso do Sul precisamos saber quem é realmente índio sul-mato-grossense ou paraguaio. Queremos documentação de indígenas urbanizados e projetos de capacitação profissional, entre outras melhorias para o nosso povo”.

Campo Grande possui duas aldeias urbanas. Além da Marçal de Souza existe a Água Bonita, com 60 grupos familiares Terena, Caiuá, Nhandéva e Kadiwél e um acampamento indígena com 80 famílias situado no Jardim Noroeste, periferia da zona leste.

Loteamento Social Marçal de Souza, em Campo Grande, popularmente conhecido como a primeira aldeia urbana do Brasil, abrigava cerca de 170 famílias indígenas em 2006

 

Índia é eleita a primeira cacique em MS

Filed under: Indígenas — fragmentosmoveis @ 6:27 pm

Notícia da Agência Estado de hoje merece ser registrada para a posteridade. Aproveito para ilustrar com fotos de uma matéria do site Repórter Brasil, de 2006.

A índia da etnia Terena Enir Bezerra da Silva, de 53 anos, foi eleita ontem a primeira cacique de Mato Grosso do Sul. Ela passou a comandar 250 famílias indígenas da tribo que moram na Aldeia Urbana Marçal de Souza, situada na zona leste de Campo Grande.

Enir considerou o resultado do pleito “histórico e uma revolução dentro da cultura indígena”. “O mundo e conseqüentemente o Brasil estão muito modernos. É a TV digital, a Internet, os avanços da medicina e os relacionamentos entre famílias mudando o jeito de viver. Queremos também entrar na modernidade não por vaidade, mas para o nosso crescimento interior, mostrando que acima da condição masculina ou feminina está o ser humano”, afirmou.

Conhecida na aldeia por Enir Índia, disse que seu objetivo como líder é em primeiro lugar conseguir a realização do recenseamento indígena no Estado, porque “nossos índios urbanos são invisíveis para o Poder Público. Aqui em Mato Grosso do Sul precisamos saber quem é realmente índio sul-mato-grossense ou paraguaio. Queremos documentação de indígenas urbanizados e projetos de capacitação profissional, entre outras melhorias para o nosso povo”.

Campo Grande possui duas aldeias urbanas. Além da Marçal de Souza existe a Água Bonita, com 60 grupos familiares Terena, Caiuá, Nhandéva e Kadiwél e um acampamento indígena com 80 famílias situado no Jardim Noroeste, periferia da zona leste.

Loteamento Social Marçal de Souza, em Campo Grande, popularmente conhecido como a primeira aldeia urbana do Brasil, abrigava cerca de 170 famílias indígenas em 2006