Fragmentos Móveis

Casa das Rosas integra ‘corrente’ de troca de livros quarta-feira, 17 junho, 2009

Filed under: Cultura,Literatura — fragmentosmoveis @ 8:43 am
Tags: ,

Projeto é um movimento de ‘libertação’ de livros em locais públicos.

Desde o início de maio, espaço aderiu ao BookCrossing.

Do G1, em São Paulo

Casa das Rosas vira espaço de troca de livros

A Casa das Rosas, espaço de literatura e poesia localizado na Avenida Paulista, se tornou um espaço para troca de livros. Desde o início de maio, a casa aderiu ao projeto BookCrossing, movimento de “libertação” de livros em locais públicos para serem achados por outros leitores, e se tornou uma “crossing zone” (na tradução, zona de troca de livros).

Funciona assim: qualquer leitor pode deixar um livro na Casa das Rosas para outros leitores, enquanto também pode escolher outra obra que estiver disponível no espaço para levar embora e ler, mas, com o compromisso de passá-la adiante.

A Casa das Rosas é a sexta “crossing zone” do Brasil, sendo a terceira na cidade de São Paulo. Em média, 200 livros da literatura brasileira, especialmente de poesia, compõem essa espécie de biblioteca circulante.

Como participar

O doador da obra entra no site do movimento, que tem adesão de leitores de mais de 130 países, e cria um perfil – o site é em inglês; uma página na web em português está em construção. Com o livro em mãos, registra e anota na contracapa o código de identificação gerado.

Após o cadastramento, é preciso deixar o livro na Casa das Rosas ou em uma das outras zonas oficiais, ou ainda, se preferir, pode deixá-lo em um espaço público qualquer.

A pessoa que pegar o livro deve informar o paradeiro da obra no próprio site, e se quiser pode também registrar a sua opinião sobre a leitura.

 

Dono de biblioteca gigante em SP doa obras e digitaliza livros terça-feira, 16 junho, 2009

Filed under: Cultura,Literatura — fragmentosmoveis @ 10:39 pm
Tags: ,

Obras raras podem ser consultadas pela internet.
Trabalho é feito por robô que ‘lê’ 2,4 mil páginas por hora.

Do G1, com informações do Jornal Nacional

Para quem temia que os livros sumiriam na era da internet, uma boa notícia: o tradicional e o virtual viraram aliados.

Veja o site do Jornal Nacional

A biblioteca brasiliana Guita e José Mindlin está sendo digitalizada. O acervo é um tesouro formado durante 80 anos por José Mindlin, de 94 anos. E ele está doando tudo.

“A idéia da biblioteca ser parte da universidade e ser pública prevaleceu desde o início. Eu sou, durante todos esses anos, conservador dos livros, guardião dos livros”, diz ele.

Agora, esses livros começam a se transformar em páginas virtuais. Quem faz esse trabalho é um robô que “lê” 2.400 páginas por hora. Três mil documentos já podem ser acessados pelo computador.

Mas a biblioteca virtual brasiliana será muito mais do que isso. São 25 mil títulos. Livros feitos no Brasil e sobre o Brasil, preciosidades desde o século 16. Entre eles, estão a primeira edição do livro de viagens de Hans Staden, a primeira dos 17 volumes dos sermões do Padre Antonio Vieira, as primeiras edições dos livros de Machado de Assis, muitos autografados. Os brasileiros terão acesso a tudo isso gratuitamente, via internet.

A primeira edição de “Helena”, de Machado de Assis, tem uma dedicatória a um amigo e já está na rede. Textos produzidos no século 19, na época da abolição, também. Todas essas raridades estão disponíveis do site da biblioteca (www.brasiliana.usp.br).

 

Campanha "África em Nós" valoriza cultura negra sábado, 13 junho, 2009

Filed under: Cultura,Cultura Negra — fragmentosmoveis @ 11:32 am
Tags: , ,

Lançado pela Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo, concurso cultural receberá fotografias que retratem a influência dos africanos no Brasil

Embora o mês oficial de comemoração seja novembro, as ações de valorização e promoção da cultura negra já começaram para a Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo. Em evento realizado nessa semana na capital paulista, o órgão lançou a campanha fotográfica “África em Nós”, que pretende destacar a influência africana na sociedade brasileira.

Aberta a fotógrafos profissionais, amadores e estudantes de fotografia, a campanha convida a população a pegar uma câmera fotográfica e registrar rostos e cenas que retratem a influência da cultura negra no cotidiano e ressaltem a importância da valorização social dos afro-descendentes. Com curadoria do fotógrafo Walter Firmo, a campanha reunirá as 100 melhores imagens enviadas pela população em um livro, além de exibi-las em uma mostra especial dentro da programação cultural do Mês da Consciência Negra (Novembro).

Os interessados em participar da campanha “África em Nós” poderão enviar suas fotos até o dia 15 de setembro, diretamente para o site da ação. Serão aceitas até dez fotos por participante. Todas as imagens enviadas ficarão expostas no site e uma comissão irá julgar os melhores trabalhos. Na avaliação, serão considerados os critérios de criatividade; originalidade; estética; qualidade fotográfica (técnica); relevância da mensagem de prevenção e qualidade informativa.

De acordo com a Secretaria da Cultura, a campanha visa valorizar a herança africana e a diversidade dos brasileiros. A ação conta com o apoio da Assessoria de Cultura para Gêneros e Etnias da Secretaria de Estado da Cultura e a expectativa é de receber mais de 50 mil imagens até o final da ação.

Além da divulgação dentro do próprio site, a campanha “África em Nós” também será divulgada através de cartazes, espalhados por toda a cidade, ilustrados com fotografias de Walter Firmo. Também foram produzidos folders, que trazem om regulamento completo do concurso e a ficha de inscrição. A campanha também será divulgada via internet, em redes sociais como Twitter, Orkut e Flickr.

 

Piauí divulga rotas turísticas em São Paulo quinta-feira, 28 maio, 2009

Filed under: Cultura,Viagens — fragmentosmoveis @ 6:52 pm
Tags: , ,
Do iG Turismo – 27/05/09

Quinta edição do evento Piauí Sampa começa no dia 1º de junho, na capital paulista.

Piauí tem roteiro histórico e emocionante
Delta do Parnaíba, uma raridade das Américas no Nordeste

A quinta edição do Piauí Sampa – A Terra do Sol na Terra da Garoa -será realizada de 1º a 7 de junho, no Átrio Pinheiros do Shopping Eldorado, na capital paulista.

O evento traz, mais uma vez, uma série de novidades sobre o Piauí para São Paulo. Este ano, o evento mostra as manifestações culturais do Nordeste como o Cavalo Piancó, o Pagode de Amarante, o Reizado, além de maxixes, cocos, carimbós, sambas de roda, calangos, baralhos, leseiras e lundus. O multi-instrumentista e compositor piauiense Emerson Boy também fará apresentações.

Promovido pelo Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), o evento é uma boa forma de conhecer o Piauí sem sair de São Paulo – e ficar com vontade de colocar os pés no Estado, em busca de suas belezas e tradições.

A mostra terá 17 estandes, sendo 13 para comercialização de artesanato e degustação de mel, castanha e caju e outros quatro apresentando peças customizadas da moda piauiense. A arte santeira piauiense é conhecida em todo o mundo. Em São Paulo, o público poderá ver trabalhos desenvolvidos por associações, cooperativas e grupos de produção assistidos pelo Sebrae nos municípios de Parnaíba, Luis Correia, Ilha Grande de Santa Isabel, Teresina, Pedro II, Campo Maior, Floriano, São Raimundo Nonato, União e José de Freitas.

Cestaria e Trançado, Renda de Bilro, Bordados, Cerâmica, Arte Santeira em madeira, Tecelagem, Artesanato em Opala, Couro e Biojóias poderão ser adquiridos pelos visitantes a preços muito convidativos.

Haverá, ainda, um café gastronômico, onde as pessoas poderão comprar o mais puro mel do Brasil, castanha, cajuína, além de provar doces e quitutes da culinária piauiense.

 

Como salvar as novelas da Globo? terça-feira, 17 fevereiro, 2009

Filed under: Cultura,TV — fragmentosmoveis @ 1:26 pm
Tags: ,

O colunista do UOl, Ricardo Feltrin, publicou hoje que a Rede Globo está convidando jornalistas, publicitários, pedagogos e psicólogos para tentar descobrir formas de cativar os telespectadores que vêm se afastando cada vez mais de suas novelas.
Grupos de pesquisa com donas de casa ajudam a detectar personagens que não estão agradando e dificuldades de entendimento das tramas, por exemplo.

Creio que há outras formas de mensurar as razões dos fracassos de audiência.
Lendo alguns blogs, por exemplo, vi inúmeros comentários questionando a exposição da cultura indiana (“Caminho das Índias”), em vez da cultura nacional que tem uma riqueza regional ainda inexplorada, a não ser de forma estereotipada.

Alguns exemplos que os irritam e que acho que a Globo tenta ignorar:

  • semelhanças com a trama de O Clone, criando quase uma ponte aérea Rio-Marrocos (agora Rio-Dubai-Índia);
  • a novela vai abordar o casamento infantil – dizem que a prática já é proibida na Índia há 10 anos (mas o sistema de castas também foi retirado da Constituição, mas persiste na prática);
  • atores fazendo os mesmos papéis, sem nenhuma variação de interpretação (citam Vera Fischer e Caco Ciocler)

Outros exemplos que me irritam particularmente:

  • a personagem Duda é muito burra – namorando há 2 anos com Raj, ia casar-se com ele, mas não sabe nada da cultura dele. O risco do impedimento de casar com uma estrangeira não passava pela cabeça de nenhum dos dois? A prática dos pais escolherem a noiva e o noivo só conhecê-la depois não era do conhecimento dela.
  • a novela insiste em mostrar costumes indianos como superstições, causando uma impressão negativa no público. É exagerado que em quase toda cena apresentem algum costume dessa forma. Foram até tema de reportagem do Vídeo Show. Na prática, do ponto de vista antropológico, é um reforço do etnocentrismo ocidental. Todas as culturas possuem algum tipo de superstição. No entanto, as crenças tem que ser entendidas dentro do seu contexto. Mesmo se a autora da novela não teve essa intenção, é o que a edição da novela e a emissora tem transmitido.